Nessa segunda-feira, 9, Leigh-Anne lança sua coleção em parceria com a ASOS, confira a tradução da entrevista pela marca com a cantora.

Leigh-Anne Pinnock está reservada e ocupada. Só nas últimas semanas ela estrelou o show de talentos da própria Little Mix na BBC , apresentou os MTV EMAs , ganhou dois EMAs, lançou o álbum poptástico do ano na forma de Confetti (você pode vir para mim, você sabe que é verdade) , e agora ela está lançando sua própria edição da coleção mais recente da ASOS DESIGN.

Enquanto alcançamos Leigh-Anne no banco de trás de um carro a caminho dos ensaios para nossa QUARTA entrevista juntas – a primeira uma conversa franca e emocional sobre o racismo que ela enfrentou – encontro uma mulher com mais poder do que nunca. A Leigh-Anne que você vê nesta coleção ASOS DESIGN é um símbolo de todo o trabalho próprio e auto-aceitação que ela fez, e nós adoramos ver isso.

Aqui Leigh-Anne se abre sobre a coleção, como ela navegou nos altos e baixos de 2020 e como o movimento Black Lives Matter mudou tudo para ela. Ela está tão pronta…

2020 tem sido uma jornada e tanto para você – você ficou noiva, teve Little Mix: The Search, você tem um novo álbum e agora a edição ASOS DESIGN – como você está se cuidando com todos os altos e baixos?

Tem um monte de coisa acontecendo! Estou apenas aceitando o que vem, especialmente porque o movimento todo mundo parece querer um pedaço de mim e é realmente assustador, mas vou aproveitar essas oportunidades e continuar a falar e aumentar a conscientização. Mas estou pronta estou brilhando querida!

Estava pensando na entrevista que fizemos em que você falou sobre o racismo que enfrentou. Quando você olha para trás para aquela garota agora, quanto mais no controle de seu poder você se sente?

Não consigo nem começar a explicar o quanto sinto mais em meu próprio poder. Acho que com aquela entrevista que fizemos, toquei em algumas das coisas que estava sentindo, mas não entrei no assunto da maneira que fiz com o vídeo no Instagram. Isso é porque eu estou com cicatrizes. Eu realmente pensei que perderia fãs. Eu não sabia como explicar. Não tive coragem de realmente entrar nisso. Então, com o movimento acontecendo e as pessoas querendo ouvir e entender, eu apenas pensei, ‘Eu só vou dizer isso!’ Você não pode mais ficar quieto sobre isso, não pode mais se conter. Você precisa ser totalmente vocal. Essas conversas que eram tão estranhas, mas agora são conversas que você precisa ter diariamente. Não tenha mais medo de dizer coisas. Eu me sinto uma pessoa diferente, a confiança e o poder que sinto que seguro são incríveis.

As fotos para a edição são maravilhosas – como você usou a moda para se fortalecer quando se sentiu impotente?

Sempre amei moda e sempre usei isso para me expressar. Ter uma coleção com a ASOS, amo a ASOS, cada peça é incrível e amo como a coleção é versátil.

Qual peça você mais cobiça?

Tem um vestido verde e, não estou brincando, eles fizeram isso para mim. Estou obcecada com a cor. O ajuste é tão sexy. Não podemos estar realmente festejando agora, mas é perfeito para preparar o jantar de Natal, talvez? Eu estive planejando roupas assim.

Você tem sua própria marca especial de poder feminino. Como você inspirou isso nesta edição?

Eu sinto que com as fotos há uma mistura de sexy e não me levar muito a sério. Não sou uma pessoa muito séria; Eu sou boba e queria que isso transparecesse nas fotos. Além disso, comigo possuindo meu poder e minha confiança, espero que isso tenha acontecido também.

A moda deveria ser apenas sobre como vestir o que faz você se sentir confortável, mas as pessoas ainda fazem muitos julgamentos sexistas sobre o que as mulheres usam. O que você quer dizer a esses críticos?

Estamos tão acostumados com isso. Nós apenas ignoramos agora porque se você quiser usar algo, você deve usá-lo. Chegamos a um ponto em que não ligamos, não lemos os comentários, usamos o que nos faz sentir bem, usamos o que nos faz sentir bem. Somos mulheres adultas e merecemos ser sexy!

Em relação a sua marca de moda praia, In’A’SeaShell – você disse que queria que fosse para todas. Como você manteve essa inclusão nesta coleção?

Eu nunca representaria uma marca que não representasse formas e tamanhos diferentes. Cada corpo é um corpo perfeito. A perfeição não existe. A perfeição é quem você é, porque você foi feito de maneira perfeita. Você não precisa mudar por ninguém. Quanto mais representação houver, melhor.

Você se sente mais representada pela indústria da moda do que nunca?

Eu definitivamente sinto que houve progresso. Mas ainda há um longo caminho a percorrer, especialmente na indústria da moda. Acho que é por isso que tomei uma decisão consciente com minha marca, In’A’SeaShell, para ter certeza de que era diversa porque não a vejo o suficiente. Mesmo quando ligo a TV agora, vejo mais negros na tela, então há um progresso lá e lentamente estou vendo, mas ainda há um longo caminho a percorrer, 100 por cento.

O novo álbum Little Mix, Confetti, foi lançado. Estou com sede desse álbum, o que podemos esperar?

O álbum é uma celebração de Little Mix, pois já faz quase 10 anos. Temos uma linda balada nela – todos nós realmente brilhamos com nossos vocais, então isso realmente atinge você e eu estou tão animada para as pessoas ouvirem isso.

Você é uma figura pública há quase 10 anos. Você me disse antes você se sentia ‘invisível’. Você sente que quando está fazendo coisas como esta edição do ASOS DESIGN, você está fazendo isso por aquela garota que costumava se sentir invisível? Quão orgulhosa você acha que aquela garota ficaria de você agora?

Você está tentando me fazer chorar de novo? Brincadeira! Acho que ela estaria realmente orgulhosa. Não estou brincando, essa é uma garota diferente. Eu não a reconheço mais. Eu me sinto muito mais fortalecida e muito disso é apenas tirar essas coisas do meu peito. Deixando isso claro, não sinto mais uma dor forte; Eu não tenho isso engarrafado. As pessoas sabem como me sinto agora e acho que ficaram chocadas com isso. Tenho muita certeza agora. Sempre soube quem eu era, mas tenho esse novo poder e ela está saindo agora. Eu gostaria de poder contar a vocês todas as coisas que estão acontecendo, pois é realmente louco! Estou muito entusiasmada com o futuro.

Não poderemos passar pelo período de festas da mesma maneira. Como podemos lidar com isso?

Se você não pode fazer nada e está apenas em sua casa, quero que toque um pouco de música, coloque seu melhor vestido e seus melhores saltos e apenas dê uma dança. Faça uma festa sozinho. Ainda podemos festejar. Ainda podemos ser felizes. Ninguém vai nos impedir de ter uma boa aparência.

Tradução: Leigh-Anne Pinnock Brasil | Fonte: Glamour UK



Nessa segunda-feira, 9, Leigh-Anne lança sua coleção em parceria com a ASOS, confira a tradução da entrevista pela marca com a cantora.

Ela é uma sensação pop, um nome familiar e uma ativista do amor próprio e da diversidade – e agora, ela é nossa mais nova estrela do Style Edit! 💫 Sim, estamos falando sobre a única Leigh-Anne Pinnock, também conhecida como um quarto da banda feminina favorita de todos. Este mês, ela escolheu a dedo algumas de suas partes favoritas do ASOS DESIGN, e vamos apenas dizer que *todos* precisamos fazer anotações ✍ Quer saber mais sobre a edição e o que Leigh-Anne tem feito este ano? Você está no lugar certo…

Nós conversamos com a cantora para obter as fofocas sobre suas escolhas favoritas, seus momentos de moda mais tímidos, sua nova linha de roupas de banho e muito mais. […]

Então, conte-nos um pouco sobre sua edição de estilo. 

O que eu amo é que há uma mistura de vestidos e roupas de festa, mas com coisas casuais adicionadas também. Eu sinto que tem um pouco do tema dos anos 90 também, e eu amo esse tipo de moda. Eu amo todos os looks.

Quais foram algumas de suas peças favoritas da edição? ✍️

Ooo, tem este vestido verde [grita de empolgação]! Eu amo o verde; é a minha cor! Então, quando eu vi, foi a primeira coisa que peguei e pensei ‘sim, sou eu’.

Deve ter sido muito divertido colher as peças.

Sim. É mais fácil quando você ama a marca também, e todas as coisas que ela tem!

Como você diria que seu estilo pessoal mudou na última década?

Nos primeiros anos de estar na banda, eu estava realmente me achando no que diz respeito à moda. Mas agora eu sinto que realmente aperfeiçoei minha moda, mas não é necessariamente específica. Gosto de experimentar. Se eu tivesse que dizer quem é meu ícone da moda, provavelmente seria Rihanna, porque ela dita tendências e não segue moda – ela faz suas próprias coisas, e é isso que eu amo. E é assim que eu aspiro ser.

Qual você acha que foi seu momento de moda mais assustador? 👀

Oh, Deus. Bem, basta voltar ao X-Factor e é literalmente toda semana [risos]. Quando nos reunimos pela primeira vez no grupo e todos fomos a Camden comprar esses tops de colete com slogan, polainas de cores vivas e óculos falsos… Não sei o que estávamos tentando fazer, mas adoramos no momento. Só queríamos ser peculiares. Foi hilário, mas era fofo.

E o seu melhor momento de moda?

Um dos meus momentos favoritos foi provavelmente no tapete vermelho do BRIT Awards, quando gostei de um vestido de seda esmeralda de Suzanne Neville. Ela fez para mim, e me lembra de uma peça no estilo Aaliyah, porque deixa a barriga de fora. Acho que provavelmente era meu favorito.

O novo álbum da banda, Confetti, saiu na sexta-feira (06/11). Você pode nos contar um pouco sobre isso?

Estamos juntos há quase 10 anos, então só queríamos fazer um álbum divertido que não fosse colocar muita pressão sobre nós. O último álbum foi uma declaração – falamos sobre problemas e muitas coisas diferentes que todos estávamos vivenciando naquela época. Mas, com este, pensamos: ‘quer saber? Vamos apenas nos divertir um pouco’. Isso veio para nós naturalmente; é apenas um bom álbum pop sólido.

Você pode nos contar sobre sua marca de moda praia, IN’A’SEASHELL? (Psst … em breve na ASOS! 🙌)

Sim, estou tão animada! Eu e uma das minhas melhores amigas Gabby o criamos há cerca de um ano. Sempre fui obcecada por trajes de banho, mas nunca encontrei nenhum que gostasse da qualidade. E eu queria começar minha própria marca de moda, então achei que praia era um ótimo lugar para começar. O slogan da marca é: ‘Como conchas, somos todas lindas, todas únicas, cada um com uma história para contar’ – é feito para todos e cada um. Decidi ter certeza de que estava usando modelos de todas as formas, tamanhos e cores diferentes. Queria que fosse o mais inclusivo possível, porque sinto que não há campanhas de moda praia suficientes que façam isso.

Você tem falado muito sobre o movimento Black Lives Matter. O que você gostaria de dizer aos seus seguidores sobre esse momento?

Bem, eu não posso acreditar que isso aconteceu. Pela primeira vez, o mundo inteiro quer falar sobre raça e isso nunca aconteceu na minha vida. Eu ainda estou pensando nisso. Acho frustrante que tenha demorado tanto, mas sabe de uma coisa? É um progresso. Mas não pode ser apenas um momento; tem que ser um movimento. E parece promissor e tenho esperança de que as coisas mudem. Então, temos que continuar falando sobre isso, continuar tendo essas conversas estranhas que não deveriam ser estranhas. Eles deveriam ser normais.

Como você tem lidado com isso e com tudo o mais que aconteceu este ano?

Tem sido um turbilhão com COVID e tudo. E então, com o movimento BLM, nunca recebi tantos pedidos e apenas atenção em geral. Foi de zero a 100 tão rapidamente. Mas estou apenas absorvendo tudo e usando minha voz e fazendo o que estou aqui para fazer. E isso é falar sobre isso, espalhar a consciência e, com sorte, trazer algum tipo de mudança.

Você também falou sobre sua própria jornada capilar e sobre como é confiante com seu cabelo natural. Por que é importante para você compartilhar esta mensagem com mulheres e meninas negras?

Quando eu estava na escola primária, odiava meu cabelo. Minha mãe secava os meus e as das minhas irmãs toda semana, só para ficar mais fácil para nós; queríamos que ela fizesse isso. Sempre tive um complexo sobre isso. Há alguns anos, minha sobrinha fez um comentário e disse: ‘Odeio meu cabelo, quero parecer com as outras garotas da minha classe’. E isso literalmente partiu meu coração. Desde o momento em que ela disse que eu sabia que tinha que falar sobre isso e fazer mais para que essas jovens negras vissem como elas são incríveis e lindas.

Tradução: Leigh-Anne Pinnock Brasil | Fonte: ASOS



Nesta terça-feira, 22, Little Mix teve uma sessão de Q&A sobre Little Mix: The Search, confira abaixo a tradução das respostas da Leigh-Anne.

Qual é a sua ambição para a série? 

“Encontrar o próximo melhor grande grupo e ser as melhores mentoras que pudermos ser.

Como o LMTS é diferente de outros programas de talentos?

O formato é completamente diferente de qualquer outro show de talentos. Nós, garotas, já passamos por isso, já estivemos no lugar delas e fizemos testes antes. Temos tido sucesso – nós vivemos isso. Podemos ajudá-los e orientá-los e, com sorte, eles podem seguir nossos passos em termos de sucesso.

Como foi a filmagem dos estágios de audição do show?

“Foi muito divertido. Foi realmente incrível saber que todos esses cantores incríveis queriam estar no nosso show. Ficamos muito felizes com o talento que encontramos.

Houve algum momento que realmente se destacou para você até agora?

De vez em quando você faz aquele teste que se destaca. Minha audição favorita foi dois meninos; eles são irmãos e um grupo de Rap e R&B. Foi muito emocionante. Às vezes, as pessoas simplesmente se conectam com você e foi um bom momento.

Você se arrepende das audições? Alguém após reflexão que você gostaria de ter feito? 

Sim, tenho alguns arrependimentos. É irritante quando você assiste e pensa ‘por que eu disse não para eles’. Também há pessoas que as outras garotas não passaram e que me deixam triste.

Você teve algum desentendimento entre vocês durante as audições? Você caiu em todas as decisões sobre quem encaminhar para a próxima fase? 

“Algumas vezes meu rosto diz que é tudo! Todos nós temos gostos musicais diferentes, então às vezes podemos discordar.”

Você se sentiu mal por ter que deixar alguém ir / dar feedback negativo (construtivo)?

Sim, havia uma garota, eu achei que ela era muito jovem. Não é como se estivéssemos dando feedback negativo, é tudo muito construtivo. Às vezes, as pessoas simplesmente não estão prontas, e seria injusto colocá-las na linha, se sabemos disso.

Você pode nos dar informações sobre os shows ao vivo?

“Eles vão ser enormes! Estamos animadas porque as apresentações serão ENORMES.

Vários competidores estavam realmente nervosos; você tem dicas sobre como superar seus próprios nervos se alguma vez estiver nessa posição? 

“Alguns nervos estão bem, pois mostra que você se importa. É tudo sobre técnicas de respiração. É tão difícil controlar os nervos, mas você pode superar isso. Depois de sentir o apoio, isso definitivamente ajuda.”

Você acha que esses shows são a melhor maneira de entrar na indústria da música? 

“É o que você faz depois disso é importante. Você tem que criar uma música que as pessoas comprem e mostrem quem você é como artista.”

Quais as principais qualidades que você acha que são necessárias para estar em uma banda de sucesso global? 

“Dedicação, direção e comprometimento. Você precisa basicamente querer e trabalhar duro.”

Quem estaria no seu supergrupo pop dos sonhos – se você pudesse levar membros de qualquer grupo pop diferente?  

“Mel B, Normani, Emma Bunton, Beyoncé e todos da Little Mix!”

Qual foi o melhor conselho sobre o setor/sua carreira que você já recebeu e quem o deu a você? 

“Conheça seu poder, acredite em você mesmo e não deixe ninguém diminuir sua luz.”

Resuma o resultado em três palavras.

Eletrizante, inovadora e divertida.”

Fonte: BradFord Zone | Tradução: Leigh-Anne Pinnock Brasil.



No mês passado, em agosto, Leigh-Anne concedeu uma entrevista para Paper Magazine onde falou um pouco sobre “Holiday”, sobre produzir, cantar em nessa pandemia e preparativos do casamento. Confira a tradução abaixo:

Antes de Little Mix se tornar a potência internacional que é em 2020, eles fizeram o solo de palco como Leigh-Anne Pinnock, Jade Thirlwall, Jesy Nelson e Perrie Edwards. As quatro mulheres fizeram o teste individualmente para o The X Factor britânico nove anos atrás, construindo a base para o que se tornou um forte quarteto pop que lançou quase uma década (até agora) de hits memoráveis ​​com presença de palco incomparável e rotinas de dança polidas.

Little Mix, que prospera com o poder das estrelas coletivas em vez de uma liderança na frente, claramente tem uma fórmula vencedora. O grupo feminino é um dos mais vendidos de todos os tempos, com 50 milhões de discos vendidos em todo o mundo , alcançando quatro canções em primeiro lugar no Reino Unido, incluindo o single vencedor do Brit Award “Shout Out to My Ex”, chegando aos 30 da Forbes Menos de 30 anos na Europa há apenas dois anos e lançando cinco álbuns de estúdio que apresentam outros mega-artistas como Nicki Minaj , Stormzy e Charlie Puth.

Depois do sucesso de LM5, o lançamento de seu álbum no final de 2018 apresentando a faixa vencedora do Vídeo do Artista Britânico do Ano do Britânico, “Woman Like Me”, o grupo voltou melhor do que nunca em 2019 com “Bounce Back”. Seu single mais recente, “Holiday”, caiu em 24 de julho, alcançando a posição #6 nas paradas do iTunes nos Estados Unidos, e o vídeo que o acompanha – que foi criado, socialmente distanciado, apenas semanas atrás – já acumulou milhões de visualizações no YouTube.

Co-escrita por Pinnock, Thirlwall e Edwards com colaborador frequente e hitmaker KAMILLE , a faixa combina a marca registrada de Little Mix de pop dance on-your-foot com letras românticas, um refrão duplo e outra amostra do som evoluído que provavelmente estreará no próximo sexto álbum do Little Mix.

A música é certamente adequada para momentos de quarentena, documentando a sensação de estar com alguém que faz você sentir que todos os dias são férias em letras como, “Acordados à noite toda, nós não paramos. Sinta meu corpo, amor. Estamos apenas dançando pela noite inteira. Amor, você parece um feriado”

PAPER sentou-se com Pinnock no Zoom para falar sobre como escrever a música, criar arte na distancia social e a evolução do som de Little Mix após quase uma década de curadoria de sucessos pop. “Holiday” é apenas a mais recente adição a uma discografia já icônica, e ela está pronta para a faixa (e seu visual centrado em sereia) fazer barulho.

Você, como as outras garotas, fez o teste para o The X Factor como um ato solo há nove anos. Quando você olha para trás, para aqueles anos, o que se destaca para você como artista?

Ganhamos um Brit Award – nosso primeiro britânico – por “Shout Out to my Ex”. Esse era um dos nossos sonhos de nos apresentar no Brits e receber um Brit Award, e fizemos isso em uma noite. E então voamos para o Madison Square Garden no dia seguinte, bem, naquela noite, voamos e tocamos com Ariana [Grande] no Madison Square Garden. Foi literalmente um sonho absoluto. Nós apenas nos sentimos no topo do mundo. Foi incrível porque esse era mais um dos nossos sonhos, o Madison Square Garden, de tocar lá. Então, fazer as duas coisas consecutivas era como, “Esta é a nossa vida?”

Esse é grande. Eu ia dizer que é um grande ano, mas são dois grandes dias.

Eu sei! [Risos] Honestamente, foi alucinante. Uau.

Durante esse mesmo período, de que forma você sente que cresceu como pessoa e como artista individualmente?

Sim, eu cresci muito, especialmente minha confiança. Eu comecei com muita confiança quando fiz o teste, mas então eu meio que ganhei quando fiz dupla com o grupo com as outras garotas. Eu realmente senti que essa era minha vocação, como se fosse o destino que havíamos criado. E então, para ser honesta, na verdade perdi muita confiança ao longo dos nove anos apenas por causa dos meus próprios problemas, mas diria que agora no último ano, estou realmente achando um pouco mais e não me importando sobre o que todo mundo pensa e acabar me amando, por mim.

É uma longa jornada, amor-próprio. Realmente é, especialmente por estar neste mundo e nesta indústria. Isso pode realmente afetar você de maneiras diferentes, e eu sinto que todos nós já estivemos em uma jornada estranha dentro deste tipo de mundo louco em que vivemos. Eu acho que a jornada para o amor-próprio leva tempo, mas você chega lá.

Você está trabalhando para manter sua identidade individual e, ao mesmo tempo, fazer parte dessa identidade de grupo maior. Isso tem sido parte do desafio para você?

Sim, definitivamente. Eu lembro que no começo eu estava realmente tentando encontrar meu lugar no grupo, e algumas garotas faziam um penteado que eu fiz e eu ficava chateada com isso. Eu estava pensando: “Bem, não, esse é o meu estilo. Estou tentando fazer disso o meu!” Eu olho para trás agora e penso, “Ah, vamos, Leigh-Anne.” Mas, na época, eu estava realmente tentando cimentar meu lugar. Definitivamente, há um elemento nisso, apenas descobrir quem você é. Somos apenas quatro na banda e leva tempo para conhecer cada indivíduo. Sinto que agora estamos em um ponto em que cada um de nós representa algo e, desde o início, todos temos nossa parte a desempenhar neste grupo.

Uma coisa que parece que você tem conseguido mergulhar um pouco mais ultimamente é a composição; você também é uma das compositoras de “Holiday”. Olhando para sua abordagem individual de composição, como você sabe quando uma música está pronta? O que a torna uma ótima música para você?

Depende. Às vezes pode ser bem instantâneo, e você ouvirá e ficará tipo, “Meu Deus, é isso. Isso é um sucesso. Isso é um hit.” E às vezes você simplesmente acha que é uma boa música, e que cresce com as pessoas, e então acaba se tornando o próximo single. Eu sinto que você tem que julgar, eu não sei, talvez como você se sente no dia. Pode mudar, então é estranho, mas eu sinto que você sabe o que é uma boa música. Se é uma música ruim, você sabe que é uma música ruim.

Como foi co-escrever “Holiday” com Perrie Edwards, Jade Thirlwall e KAMILLE, que tenho lido que é praticamente um quinto membro honorário do Little Mix?

Ela é a rainha. Ela escreveu nossos maiores sucessos, “Shout Out to My Ex”, “Black Magic”, “Power”, “Holiday”, “Break Up Song”. Ela é honestamente uma das melhores compositoras de todos os tempos, e temos uma relação muito próxima com ela. Isso torna tudo muito natural quando estamos escrevendo, e sabemos que vamos conseguir um sucesso com ela. Nós sabemos que vamos conseguir uma boa música, então temos muita sorte de tê-la.

Sabendo que gravou “Holiday” há um ano, ouvindo antes e agora, você se sente diferente sobre a música?

Vou ser completamente honesta. Quando nós fizemos isso pela primeira vez, eu simplesmente adorei, e então estávamos conversando sobre um ano depois – por volta de agora – qual seria o próximo single e eu não estava convencida de que “Holiday” seria o segundo. E essa é minha própria estupidez! Às vezes, não estamos todos na mesma página, e isso é apenas a vida. Acho que com “Break Up Song” foi bem doce e pop, e eu meio que queria ir para outro lugar com o segundo single, mas retiro completamente tudo o que disse. Eu retiro completamente, é simplesmente perfeito. É tão perfeito. É uma loucura como sua mente pode mudar.

Uma coisa única sobre essa música é que ela, essencialmente, tem dois refrões diferentes. Durante o processo de composição, o que desencadeou a decisão de criar um refrão duplo?

Acho que, geralmente, fazemos o refrão e parte seguinte, essa parte seguinte é a chamativa, é a parte que precisa ser mais chiclete. Então, nós tivemos a ideia que queríamos a primeira parte do refrão mais tranquila, que é a “…all night, we don’t stop”. Nós queríamos que chegasse a outro ponto, foi daí que surgiu a ideia. Acho que é porque a segunda parte é tão eufórica, com a vibe de verão, positiva, funcionou muito essas duas partes juntas. Se encaixaram com facilidade, na verdade.

Você canta na parte da música e é um pré-refrão muito glamour liricamente. Você cresceu com seus fãs, mas também mudou de gravadora e cresceu. Como você acha que o som do grupo, ou mesmo sua abordagem individual com relação à música, evoluiu?

Somos mulheres jovens. No início éramos tão jovens, então é um crescimento e uma progressão naturais que tivemos. Eu definitivamente sinto que nosso som evoluiu; está muito mais maduro agora, obviamente com as letras, mas de novo, nós somos mulheres. Gostamos de nos sentir sexy. Foi uma evolução natural.

Passou cerca de um ano entre a composição do LM5 e você começou a juntar as músicas para o novo álbum. Você acha que a sensação e o som do sexto álbum será bem diferente do que os fãs ouviram no LM5?

Sim, 100%. Eu sinto que com o LM5 , havia muita coisa acontecendo em nossas vidas pessoais e como banda também, como você mencionou a mudança de gravadora, um monte de outras coisas acontecendo. Esse álbum é uma declaração, eu diria. Conversamos sobre muitos assuntos e sinto que tínhamos muito a dizer e queríamos usar nossa voz. Acho que muitas das músicas são muito estimulantes. Na verdade, este álbum se formou muito, muito naturalmente; se amamos uma música, foi, “Sim, precisa continuar.” Este álbum é muito pop com uma vibração legal. Um pouco mais colorido que o LM5 , eu diria.

O último single, “Break Up Song”, foi lançado no final de março, exatamente quando a pandemia realmente começou a tomar conta. Qual tem sido sua experiência de criar e produzir arte enquanto navega entre o efeito da pandemia no consumo de música e esse apelo mundial por justiça racial?

Para mim, como mulher negra, tenho tantas emoções e coisas sobre as quais estou sentindo que quero escrever e sobre as quais quero falar. Obviamente, acabamos de terminar o álbum, mas eu e Jade ainda estamos no estúdio escrevendo. Amamos escrever, e é quase uma forma de terapia também, então tem sido muito bom. São tempos loucos; Eu não posso realmente acreditar que o mundo inteiro está finalmente falando sobre raça e que o mundo inteiro está finalmente pronto para ouvir. Isso vai mudar completamente para melhor minha experiência na indústria, eu acho. É bom. Já era hora, realmente.

O fato de que todos estão prontos para finalmente parar e refletir é notável de se ver. Parte disso é provavelmente a pandemia também, e a maneira como os shows ao vivo realmente vão no futuro previsível e tudo está acontecendo de forma isolada. Uma das coisas interessantes que resultou disso é o videoclipe do single; é um visual muito divertido e dançante. Como foi criar isso?

Foi tão estranho! Tudo está tão diferente agora. “Break Up Song”, na verdade tínhamos que filmar em nossas casas, então com “Holiday”, tivemos a sorte de poder fazer isso em um set com distanciamento social, obviamente. Todo mundo está usando o EPI e tudo; é o novo normal, sério, não é agora? Estamos apenas tentando nos acostumar com isso. Não vou mentir, só quero um pouco de contato, sabe? Tenho certeza de que todos nós gostamos, mas é assim que as coisas são. Teremos que nos acostumar com isso.

E na nota de contato, você acabou de ficar noiva alguns meses atrás. Como tem sido a experiência de estar noiva e, em seguida, ficar imediatamente presa em casa?

Foi a única coisa que realmente fez meu ano para mim. Tenho muita sorte de ter um resultado positivo nisso. Eu simplesmente não conseguia acreditar; Ainda estou em choque, na verdade. É uma loucura porque me senti tão culpada por estar feliz e animado naquela época. Tão estranho, mas incrível e tão romântico, também, o fato de ele ter feito isso em casa. Eu realmente não pensei que ele faria, então o fato de que ele fez, estou feliz. Eu sou uma mulher feliz.

Você está passando o tempo durante a quarentena com o planejamento do casamento?

Bem, eu não vou mentir para você – eu já tinha tudo planejado de qualquer maneira. [Risos] A maior parte do trabalho está feito. Eu já estive nisso, mas temos muitas coisas acontecendo no momento. Estamos construindo uma extensão, há muita coisa acontecendo. Preciso ir mais devagar e ele me disse: “Leigh-Anne, relaxe. Temos dois anos, relaxe.” Eu estou tipo, não! Faço as coisas, faço as coisas, faço as coisas. Uma garota que está pronta.

Em termos de como a quarentena afeta você e seus colegas de grupo, você disse que estava em um set em que estava se distanciando socialmente. Foi a primeira vez que você viu alguma das suas companheiras de grupo desde que tudo isso começou?

Sim, a gravação do vídeo de “Holiday” foi a primeira vez! Foi bizarro. Não foi há muito tempo, foi há três semanas ou algo assim. É simplesmente incrível vê-las novamente; é o mais longo que já estivemos separadas, então é tão estranho. Foi tão estranho porque há tanta coisa acontecendo e os tempos estão bem cheios e pesados ​​no minuto, eu senti que estava lidando com tudo sozinha, enquanto normalmente sempre tenho pessoas para me manter acordada e protegendo. Era muito estranho não ter isso. Estou feliz por podermos realmente nos ver novamente agora.

Isso é incrível. É realmente maravilhoso que todos vocês tenham mantido uma amizade tão forte por tanto tempo.

Sim, temos muita sorte de seguirmos em frente. 10 anos no próximo ano, isso é loucura!

Por falar nisso, você mencionou que os tempos estão realmente pesados ​​e, em seguida, como se você pudesse fazer pequenas coisas emocionantes, como ficar noiva ou ver seus colegas de grupo em uma gravação de vídeo. Há realmente uma oportunidade de espalhar um pouco de amor com lançamentos como este. Do que você mais se orgulha com o lançamento de “Holiday”?

Acho que colocar um sorriso no rosto das pessoas. Acho que isso é muito importante. É uma época tão incerta, e há tanta coisa errada com o mundo agora, e eu só acho que se pudermos colocar uma música que possa fazer alguém sorrir, estaremos fazendo nosso trabalho. Definitivamente isso, e também conseguimos ser sereias muito sexy no vídeo. [Risos]

Como você está se sentindo, agora que a música foi lançada, sobre a resposta dos fãs a “Holiday”?

Surpreendente! Está indo muito bem e a resposta tem sido incrível. Eu sabia que seria porque eu apenas pensei, essa música, é o momento perfeito para isso. Eu criei uma coisa no meu Instagram, eu estava tipo, “Se vocês não surtarem com ‘Holiday’, eu estou deixando a banda. Desculpe, tchau! Eu fui! Vocês vão adorar isso!” Tem sido incrível.

Vou mandar para todos que conheço. Eu só vou ficar tipo, “Você precisa escutar isso agora.” [Risos] Então, nós sabemos que um álbum será lançado em breve. O que mais você quer que os fãs fiquem animados com você e o Little Mix este ano?

Nosso programa de TV será lançado no outono, Little Mix: The Search . Basicamente, estamos procurando a próxima grande banda, seja uma boy band, uma girl band, um grupo misto. Então, isso é realmente emocionante. Já filmamos todas as audições; posso apenas dizer o talento? Oh, é tão bom! Eu realmente sinto que criamos uma banda incrível a partir disso. Definitivamente sairemos em turnê no próximo ano; com sorte, veremos todos os nossos lindos fãs novamente porque sentimos falta de seus rostos. E sim, um álbum este ano!

Fonte: Paper Magazine | Tradução: Leigh-Anne Pinnock Brasil



Leigh-Anne Pinnock tinha “medo de ofender as pessoas” ao falar sobre racismo antes de seu documentário.

Leigh-Anne Pinnock falou sobre a importância de “conversas incômodas” sobre raça antes de seu próximo documentário. A estrela da Little Mix, 28, diz que foi angustiante falar publicamente sobre suas experiências, primeiro no Instagram e mais recentemente no The Talk, mas que essas conversas são necessárias para que a mudança ocorra.

Ela disse ao Metro.co.uk: “Eu estava muito nervosa, com muito medo de lançar o vídeo do Instagram porque eu o segurei por muito tempo. Tive certo medo de ofender as pessoas ou dizer a coisa errada. Mas, no fundo, se não falarmos sobre essas coisas, se não tivermos essas conversas incômodas, como a mudança vai acontecer? Esse tipo de conversa deveria ser uma segunda natureza, não deve ser difícil falar sobre raça.”

Ela se abriu sobre a sensação de que tinha que trabalhar “dez vezes mais” por ser a garota negra do grupo, e se preocupou em ser a “menos favorita” dos fãs. Leigh-Anne disse que os fãs a verão falar mais sobre suas próprias experiências no documentário da BBC, Leigh-Anne: Colourism & Race. 

“É difícil, sinto que tenho guardado tanto por tanto tempo. Vocês me verão sendo muito aberta e honesta, apenas falando sobre o problema em questão”, revelou ela

“O racismo é tão comum no Reino Unido. Eu fico muito feliz por estar começando a explorá-lo, conscientizando sobre. Estou ansiosa para que o documentário seja lançado.” 

A cantora diz que está, definitivamente, sentindo uma mudança nas atitudes ao falar sobre questões de racismo, com mais pessoas abertas a enfim conversarem sobre desigualdade. Ela explicou: ‘É um problema tão grande, deveria ser algo discutido em todo o mundo’. 

“O mais incrível é que agora as pessoas estão querendo ouvir, elas querem entender e ter essas conversas. É bom que as coisas finalmente estejam começando a mudar, eu acho.” 

Estando na Little Mix, um dos maiores grupos atuais, ela, Jesy Nelson, Perrie Edwards e Jade Thirlwall nunca foram daquelas que se intimidaram ao lidar com as questões mais complicadas.

Leigh-Anne acrescenta: “Eu acho que quando você olha para a Little Mix você pensa em pop, cores, você pensa em diversão – você realmente não acha que existem coisas reais pelas quais todas nós passamos, mas todas nós passamos por situações difíceis e temos muito a dizer.”

“Mesmo quando começamos, sempre dissemos que queríamos fazer música para inspirar as pessoas, esse era o nosso principal objetivo. Nós começamos assim.” 

“Todas nós passamos por tanta coisa nos últimos nove anos e eu acho incrível como temos sido tão abertas sobre isso. Todas nós tivemos nossas próprias jornadas e, no fim, só queremos ajudar as pessoas.”’

A pandemia fez com que a Little Mix interrompesse abruptamente a programação da turnê devido ao encerramento forçado dos eventos ao vivo. Entretanto, as meninas farão um show especial para o Meerkat Music na sexta-feira, dia 28.

 Falando sobre o show, Leigh disse: “Mal podemos esperar. Poder tocar juntas novamente é uma sensação tão incrível, sentimos muita falta. Mesmo que seja só para nos vermos. É o que mais gostamos de fazer, nós amamos nos apresentar, então chegou na hora certa.”

Jade acrescentou: “Nos sentimos horríveis pela turnê de verão ter sido cancelada, odiamos decepcionar os fãs e, obviamente, também ficamos mal porque é o que mais gostamos de fazer. Então, quando surgiu a ideia de fazer o show do Meerkat Music, pensamos ‘Sim, vamos fazer isso! Vamos dar algo aos fãs’”. 

As meninas sentiram falta de estar no palco juntas, mas usarão o show para tocar músicas com os fãs. Perrie revelou: “Não ser capaz de se apresentar é a pior coisa de todas, nós literalmente vivemos para isso – é o que fazemos, então sentimos falta e mal podemos esperar para voltar à turnê. Mas, ao mesmo tempo, isto é para nos ajudar e para os fãs nos verem fazer coisas novas também”.

Tradução: Leigh-Anne Pinnock Brasil | Fonte: METRO UK



‘A coisa mais gentil para mim seria as meninas e como elas são um sistema de apoio tão positivo na minha vida. Quando chego ao trabalho, sei que tenho três amigos para vir. É uma sensação muito boa.’ – Leigh-Anne Pinnock.

Neste domingo 12, Little Mix concedeu uma entrevista para o site Ditch The Label onde falam sobre bullying on-line, saúde mental e a campanha #SimpleChooseKindness. Confira tradução da entrevista:

Fizemos uma parceria com a Simple, que se uniu ao Little Mix para se posicionar contra o ódio e o bullying on-line, enxugar palavras cruéis e capacitar todos a #ChooseKindness. Conversamos com o Little Mix sobre a campanha e suas experiências com o ódio on-line.

DTL: Obviamente, vocês têm muita porcaria na imprensa sobre o que vestir e sua mensagem, encontraram o mesmo on-line? 

Perrie – ‘Está sempre on-line. A maior parte do que recebemos vem das mídias sociais, das pessoas atrás das telas dos computadores e das telas dos telefones. Na seção de comentários de artigos e outras coisas, é o tempo todo.

DTL: Quem tem os melhores aplausos para esse tipo de coisa?

Leigh-Anne – ‘Jade definitivamente! Ela sempre sabe o que dizer!

DTL: Muitos jovens lidam com abuso on-line todos os dias – o que você diria a eles? 

Perrie – ‘É realmente difícil, porque quando as pessoas estão sendo cruéis on-line, é difícil lidar com elas. Quando você não é esse tipo de pessoa e alguém está agindo dessa maneira, você simplesmente não sabe por que alguém iria querer dizer algo desagradável ou cruel. Você só precisa ficar confiante em si mesmo e talvez tentar conversar com alguém próximo que o ouça. 

DTL: Você já olhou para comentários negativos on-line sobre si mesmo? 

Jade – ‘Oh sim. Eu acho que todos nós fomos culpados de olhar para os comentários, e acho que em um momento costumávamos ficar obcecados com isso, e essa é obviamente uma maneira realmente prejudicial de viver sua vida. É assim que você começa a ficar mais inseguro consigo mesmo e, ao longo dos anos, aprendemos realmente a não deixar entrar essa negatividade e o quanto isso foi ruim para nós. Agora está meio fora de vista, fora da mente – tentamos não ler mais. É ótimo que o Instagram permita bloquear palavras e coisas que você não quer ver. Isso nos ajuda a nos cercar de coisas muito mais positivas. ‘

DTL: A sessão de fotos que vocês fizeram para ‘Strip’ lida com muito disso – qual você diria que é a pior coisa que alguém já disse a você que você se lembra?

Leigh Anne – ‘Eu acho que para mim alguém que já disse “você não é bom o suficiente ” ou questionou minha capacidade. Por exemplo, se você tem uma nota baixa e as pessoas comentam sobre isso, ou você perde um movimento de dança. Acontece! Mas isso realmente fica na minha mente porque é apenas questionar se você é bom no que faz.

DTL: Recentemente, vocês começaram a falar sobre suas lutas com a saúde mental – o que fez você querer começar a falar sobre isso? 

Perrie – ‘Eu acho que é porque estamos em um bom lugar agora, e quando você está em um bom espaço, pode falar um pouco mais sobre essas coisas. Espero que ajude alguém por aí que tenha passado pela mesma coisa.’

DTL: Por que falar sobre isso é tão importante? Como todos podemos começar a falar mais sobre isso? 

Jade – ‘Eu acho que quanto mais você fala sobre isso, mais todo mundo fala, isso começa a normalizar. Torna-se um assunto menos tabu para se falar e, ao fazê-lo, ajuda muitas pessoas. Penso que, durante muito tempo, a saúde mental não era realmente falada o suficiente e podia aumentar porque ninguém falava sobre isso.

Jesy – ‘Sim, e eu acho que quanto mais você fala sobre isso, é como um peso sendo tirado de seus ombros. Eu acho que especialmente nas mídias sociais, temos essa enorme plataforma que queremos usar para falar sobre esse tipo de coisa e ser positivo. Acho que esperamos que isso ajude a combater parte da negatividade on-line também.’

DTL: Você acha que as coisas com as quais teve que lidar on-line contribuíram para isso? 

Jade – ‘Eu acho que uma das principais razões pelas quais eu queria falar mais é que você sai do outro lado do trato com essas coisas, e quando você está em um lugar melhor, você quer. Também acho que estamos ouvindo mais, e as pessoas estão começando a perceber e perceber o impacto que grandes artistas podem ter, e esperamos que isso só ajude. ‘ 

DTL: O que você acha que pode ou deve ser feito para lidar com os abusos on-line? Como podemos tornar a internet um lugar mais positivo? 

Perrie – ‘Na vida real, em vez de on-line, se você vê alguém na rua, é mais provável que os elogie do que gritar com eles. Achamos que um elogio é importante. Nós apenas acreditamos em fazer as pessoas se sentirem bem consigo mesmas. Em vez de derrubar alguém e jogar coisas negativas para eles 24/7; buscá-los e fazê-los sentir incrível! É o mesmo on-line, entre em contato com as pessoas e informe-as sobre o quão bom você pensa que são, em vez de serem negativas.’

Leigh Anne – ‘Mais precisa ser feito por outras pessoas para combatê-lo também. Como deve haver mais moderação de plataformas e outras coisas. E talvez consequências maiores para as pessoas que fazem isso com frequência, porque as consequências para quem passa por isso podem ser enormes, maiores.

Jade – ‘Sim, o efeito que isso tem na saúde mental das pessoas pode ser enorme, e parece que não há o suficiente por todos no momento para impedir que isso aconteça.

DTL: O que você diria para alguém que publica as coisas negativas on-line? 

Jade – ‘Na maioria das vezes, as pessoas estão espalhando ódio on-line têm muitos problemas em suas vidas pessoais. É preciso muita energia para você se tornar péssimo para outra pessoa, então, obviamente, a raiz disso é que eles se sentem péssimos por si mesmos. Então, eles precisam conversar com alguém, obter ajuda, encontrar uma maneira de canalizar toda essa energia para algo positivo.’

Jesy – ‘É muito mais fácil ser gentil’.

DTL: O que você acha que eles podem aprender com a campanha #ChooseKindness?

Perrie – ‘Eu acho, apenas seja gentil. Essa é a vibração. Eu não acho que um troll realmente perceba o impacto que eles têm sobre as pessoas quando elas dizem algo desagradável, mesmo que seja uma passagem para elas. O impacto disso realmente precisa ser entendido, e espero que a campanha faça isso e capacite as pessoas a serem mais gentis. ‘

DTL: No espírito de #ChooseKindess, qual foi a coisa mais gentil que alguém já fez por você? 

Leigh-Anne – ‘A coisa mais gentil para mim seria as meninas e como elas são um sistema de apoio tão positivo na minha vida. Quando chego ao trabalho, sei que tenho três amigos para vir. É uma sensação muito boa.

Tradução: Leigh-Anne Pinnock Brasil | Matéria Original: Ditch The Label



layout criado por dculeigh e desenvolvido por Lannie d.
todos os direitos reservados a | Host por flaunt
temos [ ] seashell online!