O documentário mais aguardado pelo fandom finalmente foi lançado, ‘Leigh-Anne: Race, Pop & Power’ teve sua estreia neste mês no dia 3, nos deparamos com cenas da Leigh-Anne explorando o racismo em toda a indústria da música e confronta suas próprias experiências como o única membro negra da banda.

Assista legendado o documentário abaixo:

Caso o player pare de funcionar você pode conferir aqui.

GLOSÁRIO:

Token – alguém que é usado como símbolo para representar a diversidade.

Esperamos que vocês gostem e que esse documentário abra a mente de diversas pessoas para que essa conversa não pare por aqui e todos nós possamos nos educar todos os dias!

Tradução e Legenda: Equipe Leigh-Anne Pinnock Brasil



O documentário mais aguardado terá sua estreia amanhã, 13, na BBC iPlayer e BBC One.

Antes de seu documentário na BBC Three, Leigh-Anne conversa com Nikki Onafuye sobre ser a única garota negra em sua banda e sobre o racismo no Reino Unido.

“Na última turnê, me lembro de sair do palco e chorar na maioria das noites… e ficar tipo, ‘Por que me sinto assim? Por que sinto que ninguém gosta de mim? Posso muito bem não estar no palco.'”

Leigh-Anne Pinnock da Little Mix tem feito um documentário há mais de um ano sobre sua experiência como a única membro negra de sua banda. No filme, ela fala para outras pessoas – incluindo outros músicos – sobre o racismo na indústria da música. Falei com ela em um estúdio silencioso no leste de Londres.

“A falta de diversidade é vergonhosa”, diz a cantora de Shout Out to My Ex sobre a indústria da mídia em geral, antes de seu documentário Leigh-Anne: Race, Pop & Power, da BBC Three. “Então, acho que posso… ser uma aliada, então é isso que eu quero fazer.

“Todos nós sabemos que o racismo é uma questão terrível e massiva neste país e eu realmente queria me aprofundar nisso.

“Foi importante para alguém como eu fazer algo assim porque eu tenho uma base de fãs predominantemente branca e as pessoas que sinto que poderia alcançar fazendo este documentário são enormes. Por que eu não me colocaria lá e faria isso?”

Embora o racismo seja o assunto do documentário, Leigh-Anne também toca no colorismo – quando uma pessoa de pele mais clara é preferida a uma pessoa de pele mais escura devido à tonalidade de sua pele.

Leigh-Anne diz: “Eu queria usar minha voz para falar sobre o colorismo porque estou muito ciente de como isso é horrível e é apenas algo que precisa ser falado.

“Eu conheço meu privilégio e o abordo no documentário. O que abordo é que sei que se eu fosse um pouco mais escura não estaria na banda. é verdade.

“Sabemos que não há mulheres de pele escura o suficiente sendo representadas, então isso era algo que eu realmente sentia que precisava falar.”

Ela acrescenta: “Eu queria falar sobre minhas experiências e como me senti na banda, sendo a garota negra na banda e as pessoas me identificando como a garota negra. Eu realmente queria explorar por que me senti tão esquecida, tão sombria e foi por causa da minha cor.

“Mas também, eu queria poder ouvir outras mulheres negras sobre suas experiências.”

No documentário, Leigh-Anne fala com estrelas pop britânicas negras, incluindo Keisha Buchanan de Sugababes, a ex-concorrente do X Factor Alexandra Burke e os cantores e compositores Raye e NAO.

Alexandra se lembrou de quando lhe disseram que era “muito negra para estar na indústria”.

Disseram a ela: “Você precisa clarear a pele porque não vai vender nenhum disco.”

“É isso que às vezes me faz sentir que não quero estar nesta indústria”, diz ela. “Eles tiraram minha confiança tanto que eu não poderia ser eu.”

NAO falou sobre as pessoas não saberem que o racismo acontece de várias maneiras. Ela diz no documentário: “As pessoas não percebem que têm pensamentos racistas. Elas foram condicionadas a dizer: ‘Preto não é bonito’.”

No filme, Leigh-Anne começa a ouvir suas experiências.

“Foi o momento mais impressionante do documentário”, diz Leigh-Anne. Ser capaz de estar em uma sala com essas mulheres incríveis que passaram por coisas tão devastadoras a ver com raça.”

“Foi inspirador ouvi-las se abrindo e me inspirou a me abrir mais e apagou aquela sensação de não estar sozinha. Foi interessante também porque todos nós tivemos experiências tão diferentes.”

“Eu realmente pensei que teria experiências semelhantes a Keisha sendo a única garota negra em seu grupo também, mas a dela era completamente diferente da minha.”

Enquanto a conversa entre as cantoras pop, Keisha explicou a Leigh-Anne que “quanto mais mestiço você parecer, mais aceitável você será para o público, mais você parecerá branco”.

‘Eu me identifico como negra’

Outro momento importante do documentário é quando Leigh-Anne, pela primeira vez, se abre sobre a identificação como negra.

“Isso é uma coisa muito pessoal, não é: ‘Como você se identifica?’”, Diz ela.

“Eu me identifico como negra. Tenho dois pais mestiços”, diz ela, acrescentando que foi criada em uma família caribenha como seus pais.

“Por isso, sempre me identifiquei como negra enquanto crescia.
Eu sinto que fui identificada como negra aos olhos do público também. O público me chamaria de ‘garota negra’ em Little Mix e era isso que eu era e era minha dona, mas é uma coisa muito pessoal de se dizer.”

“Acho que é difícil para mim responder a essa pergunta porque fico com medo de ofender as pessoas como uma pessoa mestiça dizendo que me identifico como negra porque sei o quão ruim é o colorismo e como as pessoas de pele escura não são representadas o suficiente na mídia em tudo.”

“Eu entendo a frustração de eu dizer que me identifico como negra quando sou evidentemente mais clara.”

No documentário, Leigh-Anne também fala com seu noivo, o jogador de futebol Andre Gray, sobre seus tweets coloristas anteriores.

Depois que Leigh-Anne o questiona sobre por que escreveu os tweets, ele diz no filme: “Isso é o que acontece quando vocês são crianças, você se torna um produto do seu ambiente. Portanto, o que quer que esteja por perto todos os dias – e você não é educado sobre isso ou exposto por que está errado – então meio que pega.”

“Não há desculpa para isso. Quando tudo saiu, eu fiquei constrangido, envergonhado, desapontado, mas ao mesmo tempo eu tinha que ser um homem sobre isso.
Eu cometi esse erro e aprendi e me eduquei e cresci para entender o quão ofensivo e errado era o que eu fazia.”

“Esses tweets foram incrivelmente ofensivos e para eu fazer um documentário abordando o colorismo, eu tinha que falar sobre isso e Andre tinha que falar sobre isso”, acrescenta Leigh-Anne.

‘Eu vou continuar até ver a mudança!’

Em 2019, quando o documentário foi anunciado com o título provisório “Colourism and Race”, Leigh-Anne enfrentou muitas reações negativas das pessoas nas redes sociais, com pessoas a questionarem se, sendo uma mulher de pele clara, ela era a pessoa certa para apresentar o filme.

Um tweet disse: “Leigh Anne é clara para caramba. Ela é racializada, mas por que ela está apresentando um documentário de colorismo a menos que esteja em uma jornada para aprender sobre como ela se beneficia disso?”

Outro disse: “Se o documentário da Leigh-Anne não destacar o fato do colorismo afetar mais as mulheres de pele mais escura. Ela pode ficar com ele.”

Em resposta a essas críticas, Leigh-Anne explica: “Eu meio que gostaria que não tivéssemos usado esse maldito título provisório agora. Eu queria amplificar suas vozes e falar sobre colorismo.

“Eu queria falar sobre racismo, mas sabia que o colorismo é um assunto tão grande que definitivamente não é falado o suficiente. Eu queria trazê-lo à luz e falar sobre ele em uma mídia aberta.

“Ouvir os comentários foi muito doloroso porque comecei a me questionar, tipo, ‘Eu sou a pessoa certa para fazer isso? Eu assumi o lugar de outra pessoa?’ Foi definitivamente difícil ver esses comentários e me machucou mais vindo da comunidade negra questionando se eu era a pessoa certa para isso.

“Depois de me questionar, pensei: ‘Não’, porque também estou falando sobre minhas experiências e prefiro usar minha plataforma para alcançar milhões de pessoas do que não fazer nada.”

No filme, Leigh-Anne pode ser vista marchando em alguns dos protestos Black Lives Matter do ano passado e ela explica como pretende continuar fazendo campanha contra o racismo, inclusive na indústria da música.

De acordo com o órgão comercial UK Music, houve um aumento significativo no número de funcionários negros, asiáticos e de minorias étnicas na indústria da música desde 2016 – mas essa representação é pior em cargos executivos com salários mais altos.

“Decidimos fazer o Black Fund basicamente para criar e fazer um pote de dinheiro para doar a instituições de caridade negras e ajudar a comunidade negra”, diz ela.

“Os negros devem se sentir abertos e devem se sentir livres para entrar em seu local de trabalho e se você não achar que é diversificado o suficiente ou se houver um problema e você não sentir que é tratado com justiça por causa da cor de seu pele, você deve ser capaz de dizer isso e não ser evitado, não ser negligenciado ou levado a sério.

“Você não pode simplesmente pegar pedaços da cultura e não dar oportunidades aos negros. Eu quero ver mais diversidade e quero ver as pessoas ativamente fazendo uma mudança e não apenas falando sobre isso.”

‘Agora posso ter confiança em mim mesma’

“No início desta jornada, eu definitivamente não tinha tanta confiança quanto agora”, diz Leigh-Anne, ficando visivelmente mais relaxada ao longo de nossa conversa. “Eu sinto que não acredito em mim o suficiente e isso é devido a todos aqueles anos me sentindo tão esquecida e me sentindo como a invisível.”

“Mas eu acho que agora, falar e contar ao mundo minhas experiências e ouvir outras pessoas se relacionarem comigo e ouvir as histórias de outras pessoas, ajuda. Até mesmo garotas de outras bandas femininas – Normani me procurou quando lancei meu vídeo sobre minhas experiências e me fez sentir como se não estivesse sozinha.

“Agora posso possuir meu poder e posso estar confiante em mim mesma. Perdi muito tempo sem me sentir assim e ficando ansiosa antes das apresentações e em encontros de fãs e pensando que não teria a mesma reação que as outras garotas.”

Por fim, ela diz: “Gostaria de não ter perdido tanto tempo me preocupando com isso e gostaria de ter podido apenas possuí-la, mas sabe de uma coisa? Todos nós aprendemos e todos nós seguimos nossas próprias jornadas.”

“Ainda estou aprendendo. Estamos todos aprendendo. Vamos tropeçar e aprender com isso.

Fonte: BBC Three | Tradução e Adaptação: Leigh-Anne Pinnock Brasil



Com seu documentário para estrear neste mês, The Guardian publicou hoje, dia 2, uma matéria sobre o ‘Leigh-Anne: Race, Pop & Power’ e sobre a Leigh-Anne no começo da Little Mix quando se sentia invisível.

“Eu realmente queria que as pessoas vissem que só porque sou bem-sucedida não significa que não serei afetada pelo racismo.” — Leigh-Anne Pinnock.

Em seus primeiros dias com a girl band, Pinnock se sentia invisível e não conseguia entender por quê. Então o papel da raça ficou claro. Leigh-Anne Pinnock vive o sonho de uma estrela pop desde os 19 anos e subiu no palco para fazer um teste para o The X Factor, cantando Rihanna Only Girl (In the World). Ela já passou quase uma década em um dos maiores grupos femininos do Reino Unido. Mas ela teve um começo difícil com Little Mix, e não porque ela não se dava bem com seus colegas de banda. Ela se sentia “invisível” e costumava chorar na frente de seu gerente.

“Eu simplesmente não conseguia encontrar meu lugar e não sabia por quê”, disse ela em uma entrevista para uma revista em 2018. “Eu não sentia que tinha tantos fãs quanto as outras garotas. Foi um sentimento estranho. Ela tinha, naquele ponto, finalmente percebido qual era o problema. Eu sei que existem garotas negras por aí que sentem o mesmo que eu, disse ela. “Temos um grande problema com o racismo, que está embutido em nossa sociedade”.

Se ela esperava que a entrevista mudasse alguma coisa, ficou desapontada. “Eu realmente senti como se tivesse caído em ouvidos fechados”, diz ela hoje, falando da mansão Surrey que ela divide com seu noivo o jogador de futebol, Andre Gray . “Era quase como se as pessoas não estivessem prontas para falar sobre raça então.”

Agora ela está tentando de novo, como protagonista de um documentário da BBC Three, Leigh-Anne: Race , Pop & Power

“A maior parte do filme sou eu falando sobre minhas experiências, sendo a membro mais escura da minha banda no meu mundo pop muito branco”, diz ela. “Eu realmente queria que as pessoas vissem que só porque sou bem-sucedido não significa que não serei afetado pelo racismo.”

O documentário foi rodado ao longo de 2020, um ano em que a convergência do assassinato de George Floyd e os lockdown da Covid-19 proporcionou a muitas pessoas um tempo incomum para refletir sobre o racismo na sociedade. A própria intervenção de Pinnock, em um vídeo de cinco minutos postado no Instagram, se tornou viral em junho, com 3,5 milhões de visualizações

Além de enviar suas condolências à “família de George Floyd e a todas as outras famílias que perderam alguém devido à brutalidade policial e ao racismo”, ela falou sobre a solidão que sentiu durante as turnês em países “predominantemente brancos”. “Eu canto para os fãs que não me veem, não me ouvem ou me animam”, disse ela. “Minha realidade é me sentir ansiosa antes dos eventos de fãs ou contratações, porque sempre me sinto a menos favorita. Minha realidade está constantemente sentindo que tenho que trabalhar 10 vezes mais e mais para marcar meu lugar no grupo, porque meu talento sozinho não é suficiente.”

O documentário surgiu de uma conversa durante um jantar com antigos colegas de escola no ano anterior. “Leigh-Anne se abriu para mim, pela primeira vez, na verdade, sobre como ela se sentia sobre suas experiências na banda”, disse Tash Gaunt, documentarista que trabalhou com a BBC e o Channel 4.

“Ela estava tendo uma série de percepções bastante dolorosas sobre o quão profundamente racista o mundo é, e se ela identificar [um problema], ela quer ir e fazer algo a respeito”. As duas uniram forças e o ativismo do verão de 2020 do Black Lives Matter (BLM) deu a elas um renovado senso de missão. “Sempre quisemos fazer algo que fosse complicado e realmente desafiasse o público”, diz Gaunt. “Algo que se inclina para as conversas difíceis, ao invés de contorná-las.”

Em uma das primeiras cenas, Pinnock literalmente se inclina para uma conversa em um protesto do BLM em Londres e pergunta como os jovens ativistas acham que ela deveria usar sua plataforma Little Mix . Eles dizem que ela deve educar-se e falar abertamente. Mais tarde, ela repreende Gray por uma série de tweets que ele escreveu antes de eles se conhecerem, descrevendo-os como “um exemplo flagrante de colorismo”. Ela também se senta com seus pais – ambos criados por um pai negro e uma mãe branca – para discutir a identidade racial. (“Eu me identifico como John Pinnock”, diz o pai dela, sem rodeios.)

Raça não era muito discutido em casa, em High Wycombe, quando Pinnock e suas duas irmãs estavam crescendo. Seu pai (um mecânico) e sua mãe (uma professora) “foram criados em famílias caribenhas, então, por sua vez, fomos criados em uma família caribenha, mas eles não conversavam conosco. Eles não disseram: ‘Olha, a vida vai ser difícil para você porque você é mestiço.’ ”

Ela não encontrou nenhum racismo em sua escola secundária em Buckinghamshire, que ela descreve como “muito multicultural”, e olhando para trás ela entende o desejo de seus pais de isolar seus filhos do resto do mundo. No entanto, ela diz: “Se tivéssemos tido essa conversa, provavelmente eu estaria mais bem equipada para quando fosse colocada no grupo”.

Depois de tanto tempo como mulher negra aos olhos do público, Pinnock estava preparada para o tipo de reação raivosa que o documentário já recebeu de pessoas que, como ela diz, “não querem entender o racismo, não ligam para o racismo. Eles nunca o fizeram e nunca o farão.” No entanto, assim que o projeto foi anunciado, uma reação de outro tipo começou. O título provisório, Leigh-Anne: Colourism & Race, levou alguns a concluir que Pinnock estaria defendendo a discriminação baseada no tom de pele em comunidades de cor, de uma forma que ignorava seu próprio privilégio de pele clara.

É uma crítica que ela quer abordar de frente. “Eu conheço meu privilégio, e o que exploro no filme é o fato de que se eu fosse um pouco mais escura, provavelmente nem estaria aqui.” A decisão de incluir as vozes de mulheres negras de pele escura também não foi uma tentativa precipitada de abafar as críticas: “Definitivamente, sempre foi o plano, 100%. Já sabemos que não há representação suficiente de mulheres de pele escura na mídia – isso é apenas um fato. ”

Quando Pinnock precisava de apoio durante tudo isso, ela podia chamar a colega de banda e melhor amiga, Jade Thirlwall, que tem herança egípcia e iemenita por parte de mãe. “Definitivamente ajudou – ter alguém perto de mim, com quem estou 24 horas por dia, 7 dias por semana – que apenas entende e entende.” Ela tinha outra caixa de ressonância em seu ex-colega de banda Jesy Nelson, que anunciou sua saída do Little Mix em dezembro de 2020, dizendo que estar em um grupo pop “tinha afetado minha saúde mental”. Em 2019, Nelson fez seu próprio documentário BBC Three sobre bullying online e questões de imagem corporal. “Falei com ela sobre como foi para ela”, disse Pinnock. “Ser aberto e vulnerável é uma coisa muito difícil de fazer.”

Little Mix acaba de lançar seu primeiro single como um trio, Confetti feat. Saweetie, e enquanto o arco da história pop se inclina inexoravelmente para projetos solo, depois de quase uma década sua união parece extraordinariamente robusta. Talvez seja porque, tendo começado como solistas, antes do The X Factor os juntar, Little Mix manteve espaço dentro do grupo para fazer suas próprias coisas. “Sempre fomos assim”, concorda Pinnock. “Portanto, faz sentido que agora que estamos muito mais crescidas, muito mais educadas, que todos nós individualmente tenhamos coisas que defendemos”. A colega de banda Perrie Edwards, por exemplo, provocou o lançamento de uma nova marca misteriosa chamada Disora, e Thirlwall fez incursões na apresentação de TV. Aparentemente, há limites para essa liberdade, no entanto. Pinnock consegue imaginar Little Mix escrevendo canções que abordem os problemas ou seu filme? “Posso me imaginar escrevendo algo sobre isso…”

Em março, ela contratou uma agência de relações públicas para supervisionar seus empreendimentos solo. “Estou muito animada para deixar as pessoas verem Leigh-Anne, e não apenas a garota de Little Mix, sabe?” Além do documentário e dos lançamentos musicais inevitáveis, esses projetos incluem In’A’Seashell, a marca de roupas de banho que ela co-fundou com outra colega de escola, uma instituição de caridade anti-racismo chamada Black Fund e a comédia romântica Boxing Day, no qual ela estrela ao lado de Aml Ameen (Simon em I May Destroy You), que também escreve e dirige.

Pinnock espera fazer “um filme por ano”, no futuro, com papéis de ação com um fascínio particular: “Talvez eu possa ser, tipo, uma Black Lara Croft?” ela diz, brincando, balançando sua trança alta no estilo Croft. O filme de Ameen, entretanto, foi a escolha perfeita para sua estreia nas telas. Ela pode se relacionar com a representação de uma animada família anglo-caribenha e também com a celebração do amor negro. 

“Andre é como meu braço direito. Se eu não tivesse alguém assim nessa experiência, não sei o que teria feito. Sempre tivemos conversas incríveis sobre [sofrido o racismo], desde quando nos conhecemos.” Gray está muito envolvido com a história dos negros, na medida em que todas as suas costas são uma homenagem tatuada a ícones como Bob Marley, Muhammad Ali e Martin Luther King Jr. “Eu amo como ele é pró-negro”, diz Pinnock. “É inspirador para mim.”

Já foi decidido que Little Mix não se apresentará quando Pinnock e Gray se casarem no próximo ano (“Oh, Deus, não! Elas estão vindo para se divertir! De jeito nenhum!”), Mas adicione o planejamento de casamento a todos os profissionais de Pinnock compromissos, e seu prato parece cheio de estresse. Quando tudo fica demais, ela pode ser encontrada ouvindo slow jams de R&B no banho ou lendo um de seus livros de teoria política e social. Atualmente, é Nativos de Akala: Raça e Classe nas Ruínas do Império (Akala’s Natives: Race and Class in the Ruins of Empire), o que não parece muito relaxante. “Eu realmente não leio ficção. É sempre educativo comigo. Ainda sinto que está desligando, porque sou apenas eu e meu livro.”

Ela deve pelo menos parte de seu ativismo recente a Por que Eu Não Converso mais com Pessoas Brancas Sobre Raça (Why I’m No Longer Talking to White People About Race), de Reni Eddo-Lodge. “Foi como: ‘Uau! Eu não estou sozinha!’ Acho que, por estar nessa bolha por tanto tempo – nesse mundo branco de Little Mix -, não entendia por que me sentia daquela maneira.”

Esse processo de autoeducação não costuma ser muito visual, mas em seu documentário, Pinnock demonstra um talento natural para externar emoções e pensamentos. Em uma parte notável, ela reúne mulheres de cor de todo o pop britânico – a fundadora Sugababe, Keisha Buchanan; A vencedora do The X Factor em 2008, Alexandra Burke; O artista de R&B soul Nao; cantora e compositora Raye – para compartilhar suas experiências. 

É como uma sessão de terapia de grupo, cheia de cura, bem como momentos de descoberta, como quando Buchanan confronta Pinnock com um pensamento que parece momentaneamente desequilibrá-la: “Eles estavam procurando uma minoria para estar no [Little Mix] para vender discos porque, vamos ser honestos, isso torna um pouco mais legal”, diz Buchanan. “Claro, sendo mestiço, quanto mais você parece uma pessoa branca, é mais aceitável e saboroso.”

Parte da jornada de Pinnock é a percepção de que enquanto sua negritude é vista como sinônimo de credibilidade legal e mercantilizada como tal por sua indústria, os artistas negros raramente obtêm o apoio que merecem quando se deparam com o racismo.

Pinnock estava pronta e disposta a levar essas questões aos chefes de sua gravadora, a Sony Music, mas, após alguma negociação, eles se recusaram a aparecer na câmera. Como ela acha que a Sony vai reagir ao documentário? “Eu vou cair!” ela diz. É uma piada, mas ansiosa. “Não… erm … estou um pouco nervosa, mas sinto que não há muito que eles possam dizer.” Ela aponta que a Sony criou várias iniciativas em resposta ao ativismo BLM, comprometendo US$ 100 milhões (£ 72 milhões – mais ou menos R$530 milhões) para causas anti-racistas em junho de 2020. “Então, tudo isso é muito positivo.” Ao mesmo tempo, sua frustração de que essas pessoas – por quem ela sente lealdade e afeto – tenham deixado escapar uma oportunidade de liderar pelo exemplo é audível: “Eu ouviria as pessoas dizerem, tipo: ‘Sim, mas você tem que entender, isso é muito sensível e é difícil para as pessoas virem [câmera], e se eles disserem a coisa errada?’ E eu: ‘Argh! Mas não é disso que se trata! Estamos tentando fazer uma mudança’”.

A própria Pinnock mudou de uma forma imensa e irreversível. “Há um limite para o que você pode suportar ao sentir que é o invisível ou que está sendo esquecido. Tinha que chegar a um ponto em que eu vejo isso como meu poder e agora vejo. Isto é. Ser negro é meu poder. E eu quero que as jovens negras ao redor do mundo vejam isso.

“Uma das razões pelas quais eu não quis falar no início foi porque eu estava com muito medo de ofender [os fãs de Little Mix] e perdê-los”, ela continua. “Mas eu só pensei: isso não é sobre mim. A razão pela qual estou aqui, nesta posição, é para eu falar e fazer algo.”

O documentário será transmitido na BBC Three e pelo BBC iPlayer às 02h da manhã (horário de Brasília) e também irá ao ar na BBC One às 17h (horário de Brasília).

FONTE: The Guardian | Tradução e Adaptação: Leigh-Anne Pinnock Brasil



O documentário Leigh-Anne: Race, Pop & Power (originalmente era intitulado Leigh-Anne: Colourism & Race) está sendo produzida por Kandise Abiola e será o filme de estreia do diretor e amigo de infância de Leigh-Anne e Tash Gaunt.

Com uma hora de duração e tendo a sua estreia no dia 13 de maio será transmitido na BBC Three e pelo BBC iPlayer às 02h da manhã (horário de Brasília) e também irá ao ar na BBC One às 17h (horário de Brasília).

Revelado pela BBC, saiba mais sobre o podemos esperar para o documentário:

Este poderoso documentário único segue a estrela pop Leigh-Anne Pinnock enquanto ela confronta sua experiência como a única membro negra do Little Mix e como uma mulher negra na indústria da música.

Leigh-Anne fala sobre o racismo que viveu enquanto crescia. Seus pais são descendentes do Caribe e Leigh-Anne se identifica como negra. Ela também está ciente de que ter a pele mais clara e ser uma celebridade significa que ela está em uma posição mais privilegiada do que as outras.

A cantora embarca em sua própria jornada muito pessoal, para entender como ela pode usar sua plataforma e privilégio para combater o profundo racismo que ela vê na sociedade ao seu redor. Depois que ela assume que esta é a sua maior e mais importante missão, a notícia da morte de George Floyd e os protestos de Black Lives Matter começam a varrer o mundo. Com a força de um movimento global agora por trás dela, Leigh-Anne confronta as pessoas mais próximas a ela e tenta trazer conversas difíceis sobre a representação negra até o topo da indústria musical.

Com acesso íntimo a um terço da maior banda feminina do mundo, nos juntamos a Leigh-Anne com seus colegas de banda Little Mix nos bastidores, em casa com seu noivo profissional de futebol Andre Gray e com outras estrelas pop, políticos e podcasters como ela abre uma importante conversa sobre raça. Pinnock analisa as complexidades e o impacto do preconceito inconsciente, estereótipos raciais e colorismo, tanto dentro quanto fora dos olhos do público.

Desde que venceu o X-Factor, Leigh-Anne sempre se sentiu tratada de maneira diferente, e agora ela está se perguntando se anos se sentiu ignorada nas contratações, não ouviu seu nome ser aplaudido em eventos e os fãs passando por ela em favor das outras garotas em a banda pode depender de sua raça.

Para entender sua experiência, ela contata o diretor criativo de Beyoncé, Frank Gatson, cujas palavras em seu primeiro ensaio de vídeo há quase uma década, “você é a garota negra, você tem que trabalhar dez vezes mais”, ficaram com ela desde então.

Em uma cena emocionante com seus pais, vemos como eles reagiram pela primeira vez quando Leigh-Anne lhes contou como se sentia como uma membro negra da banda. O pai de Leigh-Anne, John, lembra: “Na época eu pensei comigo mesmo, Leigh-Anne, endureça-se, controle-se, você está em uma boa posição, vá em frente, não reclame disso”, mas os pais dela as atitudes mudaram à medida que viram o efeito que a experiência teve em sua filha ao longo dos anos. Sua mãe diz: “Você pode usar sua voz e suas experiências para ajudar outras pessoas e permitir que outras pessoas saibam que as coisas vão mudar.”

Reunindo um grupo de realeza pop negra e mestiça para uma mesa redonda que é quase como uma terapia, Leigh-Anne compara experiências com Alexandra Burke, NAO, Raye e Keisha Buchanan dos Sugababes. Por sua vez, cada artista revela suas próprias experiências chocantes na indústria musical por causa da cor de sua pele. Ao discutir o colorismo, Leigh-Anne é forçada a confrontar a incômoda questão – “Se eu tivesse pele escura, estaria no Little Mix?”

Se Leigh-Anne vai fazer perguntas difíceis ao mundo ao seu redor, ela precisa fazer o mesmo em casa. Em 2012, Andre Gray, jogador de futebol noivo da Leigh-Anne, escreveu uma série de tweets ofensivos, alguns dos quais sobre mulheres negras. Leigh-Anne confronta Andre sobre esses tweets e tenta entender o que o levou, quando jovem, a pensar coisas tão horríveis.

Colocar a cabeça acima do parapeito não é fácil e Leigh-Anne começa a receber críticas de todos os ângulos. Ela busca conselhos sobre como lidar com essa reação da MP Dawn Butler, que enfrentou abusos raciais horríveis ao longo de sua carreira. Dawn a empurra para continuar: “Quando os livros de história são escritos, as pessoas precisam se perguntar, o que vai ser dito ao lado do seu nome?”

Durante a aparição de Leigh-Anne no podcast Trilly Trio, o assunto do mundo de trabalho imediato de Leigh-Anne surge. “Eu entro para o trabalho e não há negros, e tem sido assim durante toda a minha carreira, só não percebi, é normal!” Os podcasters lançam o desafio para ela: “Você sente que tem confiança agora para ter uma conversa com sua gravadora, o que a administração realmente está fazendo para enfatizar Black Lives Matter?”

Leigh-Anne decide que deve confrontar sua gravadora sobre o que eles estão fazendo para fazer uma mudança positiva. Mas encontrá-los diante das câmeras para unir forças e trabalhar juntos para a frente será mais difícil do que ela imaginava.

A BBC revela: “Vai mostrar como Leigh-Anne, membro de um dos maiores grupos femininos do mundo, passou a acreditar que vivemos em uma sociedade profundamente racista. Quanto mais ela aprende sobre o racismo sistêmico na Inglaterra, mais ela sente que deve fazer algo.

“Leigh-Anne experienciou o racismo durante sua vida e está em uma verdadeira encruzilhada. Ela está ciente de que ter a pele mais clara e ser uma celebridade significa que às vezes é considerada uma posição mais privilegiada do que outras. Ela quer explorar isso e usar sua plataforma para debater essas questões também. As câmeras terão acesso íntimo aos bastidores enquanto ela trabalha em importantes questões e questões sobre raça e racismo que irão moldar as gerações futuras em todo o mundo.

Leigh-Anne disse: “Eu quero fazer este filme porque sempre fui apaixonada pelos direitos dos negros. Conversas sobre racismo e colorismo são algo que tenho constantemente com meu namorado e minha família e, como tenho uma plataforma, quero usá-la para levar essa conversa a um público mais amplo e defender minha comunidade negra e parda.

“O racismo sistêmico é complexo; ao fazer este documentário, quero aprender a melhor forma de emprestar minha voz ao debate para que os jovens que me admiram não tenham que enfrentar o que eu e minha geração tivemos que enfrentar.”

Fiona Campbell, controladora da BBC Three, acrescentou: “Estamos constantemente tendo conversas sobre raça e discriminação e como podemos cobrir isso na BBC Three de uma forma que pode contribuir para fazer mudanças positivas e permanentes.”

Fontes: BBCTellymixBBC Three | Tradução e Adaptação: Leigh-Anne Pinnock Brasil



Simon Frederick, roteirista de TV irá comandar um docu-série de quatro partes do YouTube Originals chamada The Outsiders.

A série é baseada em “entrevistas íntimas e francas” sobre como os jovens negros do Reino Unido “estão virando o jogo na mesma sociedade que inicialmente os rejeitou, lutando contra o status quo e superando as adversidades para se tornarem os luminares de nosso tempo.”

Frederick queria fazer algo que “celebre globalmente a inovação, a expressão cultural e o talento de uma geração de jovens negros, de uma forma que reflita o clima da época”, diz ele.

Definida para ir ao ar ainda este ano, a série instigante apresenta jovens negros pioneiros como Leigh-Anne Pinnock da Little Mix, a autora de best-sellers Reni Eddo-Lodge, a diretora de publicação da Vogue britânica Vanessa Kingori, a cantora Celeste, rádio e TV apresentadora Clara Amfo e muitos mais. Nele, eles compartilham suas próprias histórias de serem excluídos e marginalizados pela sociedade por causa da cor de sua pele. Todos esses artistas, criativos e líderes superaram as adversidades para se tornarem potências em seus campos escolhidos, contra todas as probabilidades.

“Chega um momento em que um relatório do governo afirma que a Grã-Bretanha não é institucionalmente racista”, diz Frederick, que também dirigiu e produziu a premiada série de quatro episódios da BBC Black Is The New Black. “In The Outsiders? , Quero mostrar o que se tornou uma contradição óbvia para mim. Como os jovens negros são marginalizados e difamados simplesmente por causa da cor de sua pele, que continuam a inventar novos caminhos do nada, acabaram sendo reverenciados globalmente pelas mesmas instituições e sociedades que os rejeitaram em primeiro lugar. Estou muito orgulhoso deste filme e realmente interessado em ouvir que novas conversas ele desperta.”

A produtora é Atelier Frederick / AFL Filmes. Apresentado, dirigido e produzido por Simon Frederick.

FONTES: Televisual e Vogue UK | Tradução e Adaptação: Leigh-Anne Pinnock Brasil



Depois de rumores acontecerem alguns meses atrás finalmente tivemos a confirmação do documentário da BBC Three com a presença da Leigh-Anne.

Confira a matéria traduzida contando um pouco sobre o documentário:

Leigh-Anne: Colourism & Race verá a estrela de Little Mix explorar suas próprias experiências pessoais de racismo e colorismo como uma mulher negra no Reino Unido.

O documentário de uma hora de duração também abordará as questões raciais mais amplas que o país está enfrentando e iluminará como Leigh-Anne, membro de um dos maiores grupos femininos do mundo, passou a acreditar que vivemos uma sociedade profundamente racista. Quanto mais ela aprende sobre o racismo sistêmico britânico, mais ela sente que deve fazer algo. Mas o quê e como?

Leigh-Anne passou por racismo durante sua vida e está em uma verdadeira encruzilhada. Ela está ciente de que ter a pele mais clara e ser uma celebridade significa que às vezes ela está em uma posição mais privilegiada do que outras. Ela quer explorar isso e usar sua plataforma para debater essas questões também.

As câmeras terão acesso íntimo aos bastidores enquanto ela trabalha em questões e questões importantes sobre raça e racismo que moldarão as futuras gerações em todo o mundo.

O documentário a acompanhará enquanto ela conhece pessoas que a ajudarão a resolver essas grandes questões. Ela falará com sua família, amigos e buscará conselhos de seus modelos. As câmeras a verão nos bastidores com Little Mix e em casa enquanto ela processa o que está aprendendo e chega a uma conclusão sobre o que fazer.

Falando sobre o projeto, Leigh-Anne disse “Eu quero fazer esse filme porque sempre fui apaixonada pelos direitos dos negros. As conversas sobre racismo e colorismo são algo que tenho constantemente com meu namorado e minha família e, como tenho uma plataforma, quero usá-la para levar essa conversa a um público mais amplo e defender minha comunidade negra e parda.”

Acrescentando “O racismo sistêmico é complexo; ao fazer este documentário, quero aprender a melhor forma de emprestar minha voz ao debate para que os jovens que me admiram não tenham que enfrentar o que eu e minha geração tivemos de enfrentar. ”

O documentário está sendo produzido por Kandise Abiola e será a estreia do diretor e amiga de infância de Leigh-Anne, Tash Gaunt.

A controladora da BBC Three, Fiona Campbell, disse: “Estamos constantemente tendo conversas sobre raça e discriminação e como podemos cobri-las na BBC Three de uma forma que pode contribuir para fazer mudanças positivas e permanentes.”

“Este é um filme que encomendamos há alguns meses e o início das filmagens com Leigh-Anne coincidiu com a trágica morte de George Floyd e os protestos e debates atuais que trouxeram essas questões a um foco mais nítido para ela, para a Grã-Bretanha e o mundo.”

“Ao trabalhar com talentos de alto perfil, como Leigh-Anne, e outras pessoas importantes que ela conhecerá durante este processo, esperamos que as conversas honestas que este filme apresentará tenham o poder de mudar atitudes, oferecer uma visão e ajudar a prevenir o racismo em nossa sociedade . ”

E Richard Bond, Diretor Administrativo da Dragonfly Film & TV que está fazendo o filme, acrescentou: “Este é um momento histórico para os direitos civis, e estamos honrados em trabalhar com uma figura de alto perfil como Leigh-Anne em um filme que é tão importante para ela pessoalmente, e que esperançosamente ajudará a destacar e combater a injustiça do racismo sistêmico no Reino Unido e ao redor do mundo. ”

Matéria original: italktelly | Tradução: Equipe Leigh-Anne Pinnock Brasil



layout criado por dculeigh e desenvolvido por Lannie d.
todos os direitos reservados a | Host por flaunt
temos [ ] seashell online!